Cefarma
Compartilhe:

Notícias

Tecnologia em favor do crescimento

Veja abaixo a matéria sobre a entrevista com o gerente de TI das Drogarias São Paulo. As mudanças feitas pela empresa refletem um movimento em todo mundo que é: a empresa deve focar suas energias no seu produto principal. 

---

O varejo farmacêutico está investindo pesado em TI nos últimos anos. A necessidade de aprimorar seus serviços, fazer mais com menos, ganhar eficiência operacional e logística, trazer inteligência ao negócio, tem feito muitas redes reforçarem seus investimentos em novas tecnologias, não somente para fortalecer seus bastidores, mas também dar mais eficiência aos processos de suas lojas.

Com cerca de 350 lojas, a Drogaria São Paulo vem fazendo várias adequações nesse sentido nos últimos dois anos. Segundo Renato Barros, gerente de TI da rede, uma das ações adotadas envolveu a virtualização de seu parque tecnológico, a adoção de contratos de manutenção para as lojas e novos equipamentos para o seu data center, como ar-condicionado e no break redundantes, além de quadros de energia independentes.

No entanto, um novo capítulo da história da rede está prestes a dar um novo direcionamento à atuação da TI. A Drogaria São Paulo absorveu recentemente a rede carioca de drogarias Pacheco, que também conta com mais de 350 lojas, o que fez com que a empresa dobrasse de tamanho. Para falar sobre o assunto, Renato Barros concedeu uma entrevista exclusiva para a Decision Report.

DR: Quais foram os investimentos feitos pela Drogaria São Paulo em TI nos últimos anos?
RB:
Fizemos vários investimentos nos últimos dois anos. Como nossa atuação está ligada à área de serviços, procuramos direcionar nossos esforços para a loja física e adotamos contratos de manutenção para todos os estabelecimentos da rede. Para os novos pontos de venda, passamos a alugar equipamentos, ao invés de adquiri-los, por conta dos custos mais atrativos. Além disso, há um ano virtualizamos nosso parque tecnológico. Tínhamos 40 servidores físicos que se transformaram em quatro lâminas. Nosso último grande investimento foi uma reestruturação feita em nosso data center, com a compra de ar-condicionado e no-break redundantes e quadro de energia independente. Isso tudo aumentou a disposição do ambiente para nossa operação.

DR: No ano passado, a Drogaria São Paulo anunciou a fusão com a rede de drogarias Pacheco. O que isso representa para o ambiente de TI da empresa?
RB:
Essa fusão fez com que a Drogaria São Paulo dobrasse seu tamanho. No início de dezembro do ano passado, a rede contratou uma consultoria que está ajudando na formatação da nova empresa, o que envolve também os investimentos em TI e seus direcionamentos, que ainda estão em análise. Algumas decisões já estão sendo avaliadas, como por exemplo, a escolha do sistema de ERP que vai vigorar na nova configuração da rede.

DR: Quais são os grandes desafios do varejo farmacêutico quando o assunto é tecnologia?
RB:
A disposição é o principal item para o varejo. Hoje o cliente vai até a loja, faz sua compra e quer ser atendido com rapidez na hora do check-out. Se ele passa seu cartão de crédito e o sistema demora mais de dois segundos para responder, isso demonstra que a tecnologia está com problemas. A agilidade de resposta do sistema é fundamental, pois o cliente ainda encontra situações ligadas às burocracias de vendas de alguns tipos de remédio, como antibióticos, psicotrópicos, entre outros, que faz com que o balconista precise se envolver em todo o processo de consulta de preços, liberação de receita, entre outros, que acaba sendo moroso.

DR: Na sua visão, quais são as tendências tecnológicas que vão pontuar a evolução do varejo farmacêutico nos próximos anos?
RB:
Acredito que esse cenário está ligado à evolução da infraestrutura oferecida pelo País em termos de comunicação, ou seja, prover melhor qualidade em termos de fornecimento de energia, por exemplo, para que possamos oferecer nossos serviços. Se não houver recursos disponíveis, nossa atuação acaba ficando comprometida. Por isso a necessidade cada vez maior de se investir em geradores e no-breaks.

 

Deixe seu comentário
Voltar
A empresa está fechada. E não há previsão de reabertura.

O site se mantém no ar apenas para consulta.